sábado, 11 de julho de 2009

Alice no País das Maravilhas


Que posso dizer? Nonsense puro. Alice, toda feliz a descansar com a irmã, quando vê um Coelho Branco a passar por ela a correr. Até aí tudo bem. Mas o Coelho tira um relógio do bolso do colete, e diz que está atrasado. Estranho hã? Obviamente que não. A protagonista nem ai, nem ui, dispõe-se logo a ir atrás dele, a tempo de o ver entrar numa toca, onde ela rapidamente entra. E? Começa a cair numa espécie de poço sem fundo, que tem as paredes incrustradas com prateleiras e armários.

Mas o poço tem fundo, e ela chega lá, e vive toda uma série de peripécias estranhas e que não fazem qualquer sentido. Mas adorei os habitantes. Tinham uma maneira de argumentar com Alice, que, embora mergulhados e barrados em nonsense, faziam mais sentido que eu sei lá o quê. Como é o caso do primeiro encontro de Alice com o Gato de Cheshire:

"- Podias-me dizer, por favor, o caminho para sair daqui? - perguntou Alice.
- Depende do sítio para onde queres ir... - disse o Gato.
- Não me interessa muito para onde vou... - retorquiu Alice.
- Nesse caso, pouco importa o caminho que escolhas. - disse o Gato."

Viram como até que faz sentido? Espectáculo. Há muitas mais situações, embora eu ache que haja situações que perderam o verdadeiro nonsense com a tradução, mas será algo a considerar em breve, arranjar isto em inglês. E a continuação 'Alice do Outro Lado do Espelho'.

Conclusão? Uma leitura agradável, especialmente para apreciadores do nonsense e de uma boa lógica, embora eu pessoalmente ache que isto nunca venderia se tivesse sido escrito hoje. Mas não deixa de ser um bom livro!

5 comentários:

Beky disse...

Sem dúvida alguma uma das minhas histórias favoritas de sempre!

Caso não saibas, a história foi criada como crítica social à Inglaterra daqueles tempos, às coisas ridículas que eles tinham de decorar na escola e que não lhes servia de nada - no livro, Alice tenta recitar os poemas que aprendeu, mas só lhe sai uma série de rimas disparatadas...

E há imensas coisas que fazem todo o sentido, só é preciso vê-las com outros olhos...

No meu livro conta esta história: depois da rainha de Inglaterra ter lido Alice, chamou o autor ao palácio e perguntou se ele tinha mais livros publicados. Ele disse que sim, e a rainha pediu para ele lhos enviar a todos para o palácio, já que tinha adorado o livro. No dia seguinte chega ao palácio um caixote cheio das teses matemáticas que o autor tinha escrito... xD - mais um exemplo do humor de Lewis Carrol.

Curiosamente, o filme da Disney é uma mistura entre este e Alice por detrás do Espelho, que é talvez, um pouco mais chatinho, mas igualmente louco e cheio de significados...

E a ver vamos como será a nova adaptação ao cinema que o Tim Burton está a fazer... sai para o ano, em princípio :)

Beky disse...

P.S. querias o livro em inglês...

http://www.gasl.org/refbib/Carroll__Alice_1st.pdf

Rui Bastos disse...

Também estou ansioso pelo filme, e obrigado pelo livro em inglês ;)

Arisu disse...

Também uma das minhas histórias favoritas de sempre! Não sei porque, sempre comparei "Alice no pais das maravilhas" a "O Principezinho".
Para além disso, graças à imaginação de Lewis Carrol, a maior parte das pessoas cita o titulo do seu mais famoso livro quando digo o meu nome :D

Rui Bastos disse...

Blah, "O Principezinho"... Nem me fales dessa monstruosidade xD