sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Quanto ao plágio

Foi um recente problema que vários blogs bastante conhecidos tiveram que me chamou a atenção para este tema. Anda aí (pelo menos) um blog, cujo principal passatempo é roubar os textos de outros blogs.

Eu, como blogger e pessoa que gosta muito de escrever, imagino perfeitamente o frustrante, irritante e enervante que deve ser ver o nosso trabalho a ser usado por outrem, sem a devida creditação.

Bem sei que o ser plagiado é um risco que eu, e toda a gente, corre, quando torna público alguma coisa que cria, e que muitos dos blogs, incluindo este, não têm qualquer tipo de aviso claramente expresso a avisar os leitores que o material aqui publicado não é para ser usado por qualquer um, de qualquer maneira. Mas acho que falo por todos, ou praticamente todos os bloggers, quando digo que isso acontece porque confiamos nas pessoas e gostamos de acreditar que quem nos lê tem consciência de como plagiar é um acto desprezível, que pode até ser punido por lei, já que é, efectivamente, um crime!

E ai de quem me vier com a conversa do costume de "ah e tal, a fronteira entre plágio e inspiração é muito ténue, e é preciso ainda ter em conta as coincidências...". O tanas! Coincidência é dois autores publicarem livros ao mesmo tempo, ambos passados na mesma época história e baseados na mesma personagem; ou alguém estar neste preciso momento a escrever um texto contra o plágio para publicar no seu blog. Copiar textos na íntegra não é uma coincidência, é plágio! Nem é citar, citar implica, normalmente, aspas e, obrigatoriamente, creditação ao autor. Muito menos inspiração...

Acredito que o plágio tenha aparecido cerca de 10 segundos depois de alguém criar a primeira coisa passível de ser copiada, e também acredito que continuará a ser uma actividade com numerosos seguidores e tenho pena. Tenho pena que hoje em dia ainda existam pessoas capazes, sem qualquer tipo de remorso, de pura e simplesmente agarrar em algo que não é seu e anunciá-lo como seu. Enquanto blogger, enquanto apaixonado por livros e enquanto pessoa, tenho pena. Porque acredito que o plágio possa ser desmotivador para quem escreve ou para quem cria o que quer que seja, além de podermos correr o risco do nosso trabalho sair desvalorizado!

Imaginem a seguinte situação: alguém copia os textos deste blog na íntegra, para outro blog, e anuncia-os como seus, sem qualquer referência nem a mim, nem às outras duas autoras, nem ao blog. Agora imaginem que, por algum acaso, alguém se depara primeiro com esse plágio-clone, e só depois com este, o original. Corro o risco de essa pessoa pensar que este blog é que plagiou o outro, e assim perder um, ou mais, leitores...

É que ainda por cima, eu nem sequer percebo o porquê de plagiar. Se se plagia, é porque se sabe que o que se está a plagiar tem qualidade. Mas porque é que tem qualidade? Porque é único, diferente, porque mais ninguém escreve assim e mais ninguém expõe as suas ideias daquela maneira. Ora, o plágio, ao criar mais cópias da mesma coisa, em teoria, leva à diminuição da qualidade do original. Porque se em vez de haver 1 pessoa a escrever como eu, houverem 100, eu perco aquilo que me destaca na multidão.

Tudo isto para dizer o quão revoltante é o acto de plagiar. Peço a todos o que me lêem para que nunca, em qualquer circunstância, o façam; que não fomentem casos que conheçam, antes pelo contrário, que os denunciem. E peço a quem plagia, seja ocasionalmente, seja regularmente, tenha sido uma vez na vida, seja todos os dias, para que pensem bem naquilo que fizeram/fazem, que metam a mão bem dentro da consciência, e que ganhem juízo de uma vez por todas!

11 comentários:

Alice disse...

Eu não teria dito melhor, Rui. Obrigada pelo apoio. Agradeço por mim, pelas outras colaboradoras do meu blog e penso que pelos demais bloggers que comigo assinaram o texto que leste.
De facto é mais que revoltante ver o nosso trabalho, os frutos da nossa dedicação a uma actividade da qual gostamos, serem assim agredidos e usados sem qualquer pejo.
Obrigada...
Bjs

Rui Bastos disse...

De nada! É que é mesmo isso, é revoltante!

Tenho que ver se ponho aqui o texto, amanhã, ou pelo menos o link.

crucios disse...

Bem dito =) Eu no meu blog, no final, tenho os direitos de autor... Talvez devam usá-los também.

Rui Bastos disse...

Obrigado :) Pois talvez devessemos :x

M. à conversa disse...

Assino por baixo! Há pessoas que de facto não tem respeito por ninguém nem mesmo por elas próprias...

Rui Bastos disse...

É mesmo!

Iceman disse...

Nem mais!

Mas, sabes, há coisas que me deixam parvo. Nem é tanto o facto de plagiar, pois isso já vi que é comun, mas o facto de haver bloggers que ponham isso em causa e ainda questionem quem plagiou quem. Impressionante e o blogue em causa ficou riscado para mim, pois demonstrou a sua hipocrisia.

Rui Bastos disse...

Isso é que não faz sentido nenhum!

Célia M. disse...

Também eu agradeço o teu apoio, Rui, e não tenho muito mais a acrescentar ao que disseste.

Só mais uma coisa: já me aconteceu, numa ou outra ocasião, estar a ler opiniões sobre livros e pensar "isto é-me familiar"... E depois percebo porquê: o encadeamento e a ordem das ideias, a forma como as coisas eram expostas, tinha sido feito exactamente da mesma forma que eu fiz. Ou seja, pegaram no que eu escrevi, mudaram um coisa aqui e outra ali e voilà! Mas difícil de provar que não foi coincidência...

Rui Bastos disse...

De nada.

Essas situações é que são complicadas...

nclivros disse...

Iceman:
O Blogue em causa que referes chama-se Página a Página e que te garanto não vive nem practica hipócrisia!nem tão pouco a minha pessoa Nuno Chaves o faz ou é. eu já expliquei o meu ponto de vista sobre o assunto no blogue (Sombra dos Livros) e qual foi o meu equivoco em relação a este plágio e fui informado onde se encontrava.
não o expliquei no teu blogue visto a ironia por ti usada e a falta de tolerância usada para com a meu ponto de vista, que já lamentei publicamente por ter visto que tinha sido eu a fazer confusão sobre o assunto.
lá diz o ditado: que quem não se sente não filho de boa gente, o blogue em causa chama-se PÁGINA A PÁGINA é honesto, não se esconde atrás de pseudónimos e quanto a tua intenção de riscar o "dito" blogue é uma decisão tua.
Eu muito pelo contrario irei continuar a acompanhar o excelente trabalho que desenvolves no N Livros, que continua a ser para mim e para mais um blogue de referência na categoria a que se propõe.
Nuno Chaves