segunda-feira, 15 de abril de 2013

Star Wars: Clássicos 5

Título: Star Wars: Clássicos 5

Guiões: Archie Goodwin, Wally Lombego, Larry Hama, Mike W. Barr
Desenhos: Al Williamson, Carlos Garzón, Carmine Infantino, Gene Day, Walt Simonson, Tom Palmer
Arte-final: Day, Stone, Tom Palmer
Cores: Glynis Wein, D. Warfield, C. Scheele
Tradutor: Renato Neves

Opinião: Por muito que eu goste de Star Wars, há um limite para o número de enredos manhosos que consigo aturar. Tenho que ser sincero e dizer que nunca estive à espera que a qualidade destas BD's fosse algo de extraordinário. São obras que derivam de filmes, e cujo objectivo de expandir o universo da saga se mistura muitas vezes com o de ganhar umas massas, portanto sempre estive à espera de uma qualidade medíocre com laivos de brilhantismo por ali espalhados.

Mas até agora tenho encontrado algo mais oposto: não digo histórias excelentes, mas boas histórias, interessantes, com alguns laivos de mediocridade, por vezes desesperante. Tem sido uma boa surpresa, mas agora que já ultrapassei a excitação de fanboy, e apanho um livro de uma forma geral bastante mediano, tenho que me queixar um pouco.

A maior parte das histórias desenvolvidas neste volume sofrem do mal que algumas das histórias de volumes anteriores também sofriam: mau argumento. A diferença é estas histórias estarem agora em maioria. É que a sério, eu sei que isto é um universo de ficção científica, em que há raças que parecem ursinhos fofinhos e outras que parecem ursos ameaçadores e isso tudo, mas acho que se existirem 3 ou 4 pessoas neste planeta capazes de tornar uma história sobre o Darth Vader e a Princesa Leia envolvidos em lutas económicas e ligeiramente cómicas credível, é muito.

Já não há paciência para este tipo de argumentos manhosos que só servem para encher chouriços e que apenas estão vagamente relacionados com o enredo principal. Mas enfim. Era difícil isto continuar espectacular durante 12 volumes? Espero apenas que o próximo volume me anime mais um bocado...

Se bem que, não desesperem, as personagens continuam interessantes, dentro dos seus limites. Nota-se é bastante a falta de Han Solo, e em comparação a personagem de Lando Calrissian é muito, muito, muito pouco carismática. E o Yoda! Onde é que anda o Yoda?! E porque raio é que o Darth Vader, uma das personagens mais interessantes de sempre do que quer que seja, tem tão pouco tempo de antena? É uma maldição, digo-vos.

2 comentários:

Iceman disse...

Queres saber uma coisa curiosa?
Dentro da minha geração, devo ser o único que só viu metade do primeiro filme da saga, aquele em que aparecia o Harrison Ford muito novinho.
Confesso que nunca tive grande paciência para a ficção científica. Os meus amigos admiravam-se, pois eu sempre fui bom aluno a ciência, matemática e física. Mas sempre achei tão estúpido e irreal os filmes de ficção científica que nunca os consegui suportar, muito menos livros.
Recordo-me que li o "Planeta Vermelho" e o clássico "Um estranho numa terra estranha" que, diga-se, é uma excelente metáfora mascarada de FC. Vi também o Espaço 1999 e a Galáctica, ambas séries de culto e que, no meu tempo, nos fazia fazer pausas na brincadeira, mas tirando isso, não suporto tanta irrealidade.
Mas pronto, foi um "à parte". Respeito quem goste.
Abraço!

Rui Bastos disse...

É compreensível. Até porque gostar das ciências não implica gostar de ficção científica! E conhecendo os teus gostos, acho normal, não és fã deste tipo de livros... Mas às tantas talvez acabes por deixar algumas coisas passar ao lado. O que, enfim, também me acontece a mim, de certeza, com outras coisas. Um dia desafio-te, com um livro de fantasia/FC :)