segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Disney Big #1

Título: Disney Big #1
Argumentistas: Rodolfo Cimino, Bruno Sarda, Jerry Siegel, Carlo Gentina, Gian Giacomo Dalmasso, Manuela Marinato, Nino Russo, Bruno Concina, Giorgio Bordini, Fabio Michelini, Giampaolo Barosso
Desenhadores: Romano Scarpa, Luciano Milano, Nicola Tosolini, Giuseppe Perego, Francesco Guerrini, Giorgio Cavanazzo, Pier Lorenzo De Vita, Guido Scala, Maurizio Amendola, Paolo Ongaro, Maria Luisa Uggetti, Giorgio Bordini, Alessandro Barbucci, Massimo De Vita, Luciano Gatto
Tradutores: Ana Carvalho, Ana Ferreira, Igor Furão, Isabel Canhoto, Marta Amaral

Opinião: Para entrar a matar, acho que não existe uma única pessoa no planeta que não seja fã do Tio Patinhas, Pato Donald, Mickey, Pateta e companhia ilimitada. A sério, não acredito. As suas histórias acompanharam-me quando era (mais) puto, assim como a praticamente toda a gente, e na pior das hipóteses conheço pessoas que lhes são indiferentes.

Mas não gostar? Ainda está para aparecer a pessoa!

Não é, portanto, de estranhar, que tenha visto com bons olhos o nascimento da Comix e produtos derivados. BD's deste pessoal todo, publicadas com regularidade e com edições de qualidade! Fantástico!

Infelizmente nem sequer tenho espaço cá por casa para 4 Comix + 1 Hiper por mês, 1 Big por trimestre e edições especiais aleatórias. O dinheiro também não é muito, mas aguentava-se, só que enfim, tanto livro e ia gastar metade do meu orçamento com isto... Não pode ser.

Felizmente, por outro lado, apareceu a Big! 512 páginas por 4.9 euros, a sair a cada três meses. Será uma colecção lenta, mas uma que farei.

O primeiro volume, como devem ter reparado, já cá canta. E o que é que posso dizer, adorei! Sabe bem ler estas histórias, embora sinta falta dos desenhos menos estilizados e menos cartoonish. A maior parte das histórias presentes no livro têm um aspecto muito redondinho e muito perfeitinho, demasiado redondinho e perfeitinho para o meu gosto.

Mas a quantidade absurda de personagens clássicas e bem conhecidas é avassaladora. Tio Patinhas, Pato Donald, os sobrinhos, o Mickey, a Minnie, o Pateta, o Batista, os Metralha, a Maga Patalójika, o Gastão, o Professor Pardal, e tantos, tantos outros! É bom voltar a vê-los numa edição recente.

Este livro tem ainda a vantagem de misturar histórias mais recentes (há uma de 2004, e mesmo assim acabei de me aperceber que isso já foi há quase 10 anos) com histórias mais antigas (1964), e é interessante comparar as histórias e os estilos dos desenhos, por exemplo.

Dividido em várias secções, que se focam num tipo específico de história, este primeiro volume de Disney Big encheu-me as medidas. As traduções pareceram-me razoáveis, e há um momento em que aparece o seguinte: "assim... assado... assim... cozido...". Não sei se conseguem imaginar o que eu me ri, mas garanto-vos, ia caindo ao chão!

E depois há os pormenores interessantes, como o facto do Batista e da famosíssima caixa-forte serem sempre diferentes, de cada vez que aparecem. É bastante curioso.

Não posso é terminar sem dizer algumas palavras sobre aquela que deve ser a minha personagem favorita: o Tio Patinhas. Dono das suíças mais imponentes de sempre, e também de alguns trocos que já vi descritos como estando na ordem dos ziliões, quadriliões, impossibiliões e por aí adiante, este pato mal-humorado e com um relutante coração tão dourado quanto as suas moedas, é pura e simplesmente genial.

Ao ler este livro apercebi-me foi que gosto mais de o ver quando está a lutar contra alguém ao seu nível, como o Patacôncio, ou quando arregaça as mangas e se lança ao trabalho de forma mais séria. É fantástico vê-lo em expedições, ou a debater-se com um dos seus colegas zilionário.

Ah, e já agora, odeio profundamente o Gastão. O facto dele levar sempre a melhor sobre o Donald só me chateia um bocadinho, mas a personagem em si, aquela sorte toda, aquela arrogância que não lhe dá trabalho nenhum a manter... Irrita-me profundamente!

Mas as histórias em que aparece são interessantes na mesma. Este é, em suma, um bom livro, e mal posso esperar que o segundo volume me venha parar às mãos.

6 comentários:

O carteira vazia disse...

Não é mais um blog… É um blog para vos fazer rir, com crónicas, coisas que vocês também passam no vosso dia-a-dia. Serve isto para divulgar e humildemente vos peço para me ajudarem a divulgar, por favor ajudem-me. Pode ser? Obrigado

http://ocarteiravazia.blogspot.com/

Ana/Jorge/Rafa/Júlia disse...

Tens de mos ir emprestando, por favor, sou um grande aficionado de todo o universo Disney! Em relação aos desenhos, para mim há Don Rosa, Carl Barks e pouco mais, esses são os mestres, os restantes podem fazer um trabalho razoável, mas nada que chegue aos calcanhares deles (como em "A Saga do Tio Patinhas", um dos melhores livros, em geral, que já li!)

Jorge

SMP disse...

Não gostar, não gostar... não diria, é sempre melhor que um pontapé nos tintins, como diria o outro. Mas o universo Disney nunca foi o meu favorito. Li muito (de facto, aprendi a ler com) A Turma da Mônica e o Recruta Zero (priceless), e só mais lateralmente com os gibis da Disney e da Luluzinha. Tenho de confessar que, ainda hoje, me inclino mais para o primeiro grupo e menos para o segundo. Mas tenho ideia que pode ser também uma preferência enraizada género e de idade (depois reforçada em idades mais tardias pela familiaridade e pelo hábito).

Rui Bastos disse...

Sir yes sir, Jorge! Mas olha que o Rafa está a fazer a colecção toda, tem os Comix, as Hiper, e quando se actualizar tem este e as edições especiais xD

Sandra, como vos atreveis?! Vergonha nessa cara! Kidding. Compreendo o que dizes, se eu não tivesse crescido com estas histórias atreladas, se calhar não lhes ligava muito... Mas hey, não é "não gostar", see? :)

Jules Pijey disse...

Ah. Ah. Eu sabia que não havia de ser caso único! Nunca fui muito à bola com o Gastão.
Agora a ler a colecção de Tio Patinhas cada vez noto mais isso, raio do ganso dá-me ânsias.
De resto acho que não há maneira de Tio Patinhas e afins falharem, são simplesmente obras bem feitas, ilustrações e histórias.
Intemporais.. :)

Rui Bastos disse...

Pois que é verdade, sacana do ganso...