segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Marvels (Universo Marvel #7)


Argumento: Steve Darnall, Alex Ross, Kurt Busiek
Arte: Alex Ross
Tradução: José de Freitas


Opinião: Marvels foi dos títulos que mais curiosidade me despertou, na lista inicial desta colecção (que está a ser fantástica, não me arrependo nem um bocadinho de a estar a fazer). A descrição de "momentos chaves do Universo Marvel pelos olhos de um homem comum" é das mais curtas e intrigantes que vi nos últimos tempos.

E o livro oferece isso mesmo: vários momentos importantes, a maior parte deles facilmente reconhecíveis (mas também alguns mais obscuros ou discretos), pelo ponto de vista de um jornalista cujo único poder que tem é o da observação.

Há uma lista no final a detalhar tudo o que aparece, mas é possível ver Galactus a fazer o costume, assim como Namor e o Tocha Humana a lutarem entre si e contra os nazis. Tanta coisa!

A forma como isto é feito ainda é o melhor. A arte é simplesmente fantástica e atípica dos comics, pelo menos dos norte-americanos, com um estilo realista, como se fossem fotografias pintadas, e para as quais Alex Ross teve que andar a incendiar coisas e a usar amigos como cobaias de poses, para conseguir desenhar tudo da melhor forma.

Este aspecto realista dá um toque de verdade às imagens: quando os protagonistas são os heróis, tudo tem um ar de comic, quase de cartoon, por vezes, com expressões faciais exageradas e movimentos impossíveis, mas aqui o ponto de vista é o de um simples jornalista, portanto não soa a falso, antes pelo contrário!

O complemente entre arte e argumento é muito bom, especialmente porque o argumento não se deixa ficar atrás e conta uma das melhores histórias de super-heróis que já li, sem ter qualquer super-herói como protagonista mas sim como personagens mais secundárias que personagens secundárias: fazem parte do background, não do enredo.

E claro que desfolhar Marvels é visitar a versão mais próxima da realidade daquele universo que é o dos super-heróis (da Marvel). Não consegui evitar pensar "isto parece mesmo real... será?", depois de estar imerso na história, e isso é o maior testemunho da força e da qualidade deste livro.

4 comentários:

Jules Pijey disse...

Damn, agora quero ler... Controlo!

Rui Bastos disse...

É que devias!

Optimus Primal disse...

A bd é um Classico.Ja capa é fraquinha.

Rui Bastos disse...

Não desgosto, mas realmente tinham opções melhores...