quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

X-Men Origins: Nightcrawler



Argumento: Adam Freeman, Marc Bernardim
Arte: Cary Nord, James Harren, Chris Sotomayor

Opinião: Ao contrário de Jean Grey, o Nightcrawler sempre foi dos meus X-Men favoritos. Poucos são os mutantes como ele, com uma história realmente profunda e trágica por detrás, e uma personalidade encantadora.

Além de que é dono de um humor incrível, e consegue ser a personagem mais católica e "boazinha", apesar de ter o ar mais demoníaco de sempre. É um aparente paradoxo bastante interessante. E tudo isso ainda é realçado pelo facto de ser praticamente um anjo vingativo. Personagem mais completa que esta também é complicado...

E depois a arte é fantástica e assenta na perfeição na história, que é uma impecável história de origem, trágica e intensa, e que dá explicações para muitas das coisas que se conhecem da personagem.

A forma como lida com a aparência e os poderes de Kurt Wagner - nome "real" do Nightcrawler, que também tem uma explicação neste comic - é muito curiosa e está surpreendentemente bem feita. Seria fácil cair na parvoíce ou no demasiado óbvio, mas tanto o argumento como a arte resolve bem todos os problemas e ainda brinca com a situação.

Outra coisa que gostei de ver foi uma explicação para a fé acirrada de Kurt, uma das suas características mais marcantes ao longo dos anos e das várias histórias em que aparece. É incrível como lhe conseguiram dar um toque realista e verdadeiramente humano, fugindo ao cliché mutante, um bocado à semelhança do que o outro Origins fez com Jean Grey.

Definitivamente aconselhado, e um one-shot que irei reler várias vezes. É bom encontrar estes pequenos tesouros, que não são super chamativos nem nada que se pareça, mas que conseguem ser marcantes e muito bons, no meio de toda a sua simplicidade.

2 comentários:

artur coelho disse...

adoro o nightcrawler! um herói sempre bem humorado que se desvaneça numa nuvem de enxofre com um sorriso mefistofélico. pessoalmente sou veterano do nightcrawler do claremont, que lhe deu uma personalidade fantástica.

Rui Bastos disse...

É dos poucos que sempre gostei de ver, qualquer que seja o comic que apanhe! Até nos filmes, com um actor de que não gosto muito e apesar de ter perdido um bom bocado de bazófia... (e ter ficado mais creepy, com aquelas tatuagens/cicatrizes)