quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

A Essência do Medo (Universo Marvel #14)


Argumento: Matt Fraction
Arte: Stuart Immonen, Laura Martín, Wade von Grawbadger, Larry Molinar, Matt Milla, Dexter Vines, Justin Ponsor
Tradução: Filipe Faria

Opinião: Comecei a ler este livro sem grande confiança. A contracapa diz que é o seguimento de Cerco, que diz na contracapa que é o seguimento de Invasão Secreta, que diz na contracapa que é o seguimento de Dinastia M e Civil War.

O primeiro é fraco, o segundo é fraquíssimo, o terceira fica aquém, e o quarto tem fama de ser um dos piores eventos da história da Marvel. Este A Essência do Medo é o culminar das histórias que se desenvolveram ao longo desses eventos todos, portanto... Bem, não esperava grande coisa.

E é por isso que vou já dizer que fiquei surpreendido. Pela positiva! Estão a ver Marvel? Um bocadinho de mitologia só vos faz é bem! Neste caso a nórdica, com uma presença ainda mais acentuada do que anteriormente, da melhor forma possível!

Em vez de andarem à porrada, os heróis decidem ajudar-se uns aos outros, e tudo prometia correr bem, com Tony Stark a prometer ajudar na reconstrução de Asgard. Mas a filha do Red Skull, estranhamente chamada Sin, tem outros planos e desperta um antigo deus nórdico, a Serpente, irmão de Odin e que o quer destronar.

No processo converte uma série de heróis e vilões com uns martelos super poderosos - não, não é à marretada, os martelos dão poderes - nos seus arautos, e toca a causar caos e destruição.

Há heróis a morrer e a sacrificarem-se, e o Homem de Ferro a fazer uma das poucas coisas razoáveis que o vi fazer, tendo em conta o génio que é: aliar a sua tecnologia à magia de Odin para criar armas, e uma armadura para si, super-poderosas, com as quais os vilões foram derrotadíssimos, ainda que para isso alguns heróis se tenham sacrificado.

A verdade é que estas armas são espectaculares, e quem me dera que houvesse um comic dedicado a estes heróis, com estas armas. Infelizmente todos as devolvem, excepto a Red She-Hulk, claramente a pessoa mais esperta do grupo.

No meio disto tudo há de facto uma boa história, com bons diálogos, uma boa arte, e um desenrolar que não é demasiado precipitado nem demasiado lento. Não é, de todo, uma história perfeita, mas é pelo menos uma história muito boa!

4 comentários:

Jules Pijey disse...

Uh, Stark com Odin a fazer coisas? Gosto!

Rui Bastos disse...

Até que vale a pena, portanto já sabes...

Optimus Primal disse...

Eu achei muitissimo fraco,martelos magicos,deuses a pressão,fuga de Asgard,tirando a parte das armas do latinha usado até naa animaçoes da marvel pré-disney só vale pela arte.Esquecivel.

Rui Bastos disse...

Eu achei interessante. Pelo menos teve alguma lógica e consistência!