quarta-feira, 22 de abril de 2015

O Dossier Jason Fly (XIII #6)


Argumento: Jean Van Hamme
Arte: William Vance
Tradução: Rui Freire


Opinião: A trama adensa-se, e a viagem de descoberta do nosso protagonista continua em força. É incrível como ao virar de cada esquina há uma nova identidade, um novo pormenor macabro do seu passado, e até uma nova melhor.

XIII é um James Bond amnésico.

Mas... Confesso que este livro já me agradou mais qualquer coisa. Teve um ritmo mais lento, com intrigas mais desenvolvidas, e uma viagem às memórias do passado que ficou realmente bem feita.

O pior é a curiosidade que aqui fica de antenas bem ao alto. Não há espaço para grandes considerações, porque ainda que o ritmo seja lento, a história cativa e cativa bastante.

Continuo a estranhar o azar do tipo. Desgraça atrás de desgraça atrás de desgraça, das piores coisas que consigam imaginar. Nova identidade, nova família... Nova conspiração com mortes pelo meio. É terrível

É o chamado Síndrome do Protagonista, a manifestação literária da Lei de Murphy: tudo o que possa correr mal, vai correr mal. Teve a sorte de conseguir equilibrar as coisas neste livro, criando aqui desenvolvimentos interessantes que conseguiram combater a minha indecisão relativamente à saga. Só depois de ler os próximos é que posso avaliar, mas agora já posso afirmar com toda a segurança que estou a gostar!

4 comentários:

Jules Pijey disse...

Eu estou a ficar confusa e curiosa ao mesmo tempo!

Rui Bastos disse...

Só mesmo lendo é que percebes!

Optimus Primal disse...

"Eu estou a ficar confusa e curiosa ao mesmo tempo!"

É essa a ideia Jules.
Bom post james bond amenesico.

Rui Bastos disse...

Mais à frente isto perde um bocado o folgado, mas nesta fase ainda era esse o espírito :p